segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Decifrando os fundos

Se você parar e pensar, a maioria dos nossos “estresses” estão divididos em dois grandes grupos: os de fundos modificáveis e os de fundos não-modificáveis. Annalisemos:

PROBLEMAS DE FUNDO MODIFICÁVEL:

- Problemas conjugais: o par está enchendo muito o saco? Já é a décima vez que vocês discutem pelo mesmo motivo? Ele ainda não parou de ser grosso? Ela ainda não parou de dar piti na frente dos seus amigos? Termina e deu pra bola! Simples assim. Como diz a música: “Há tantas pessoas especiais”! Imagina se a gente parasse na primeira paixonite, que tragédia não seria?
- Amigos. Descobriu que te traíram? Falaram mais que deviam? Contaram seu maior segredo? Te fizeram de idiota em praça pública? Delete no safado!
- Os seus costumes. Passou do peso ideal e está se sentindo mal? Bebe e faz fiasco? Não tem amigos? Muda oras! O começo é difícil, mas depois todo mundo pega o jeito. A não ser que você tenha 2 anos e precise sempre que alguém te dê as coisas, ninguém pode mudar algo em você, a não ser você mesmo.


PROBLEMAS DE FUNDO NÃO-MODIFICÁVEL

- As 24h do dia. É fato. 24 horas, nem mais e nem menos e sempre será assim. E não adianta esmurrar a parede, contente-se com este número.
- O tempo. Está chovendo? Está chovendo! Tá frio? Tá frio! Calor? Calor! Xingar São Pedro não adianta. Agora o couro do sapato já manchou e a piastra já desmoronou. Compre um guarda-chuva ou prenda o cabelo. There’s no other way!
- O passado. O que passou, passou! Sim, você disse aquilo, fez aquilo e deixou de fazer aquilo outro. Se quiser gaste alguns minutos se desidratando no travesseiro, mas tenha em mente que isso não mudará nada o que já se foi. Quanto menos tempo perder lamentando o passado mais sobra para o presente e para o futuro.
- O pensamento dos outros. Não adianta discutir, gritar, bater com a cabeça do ser na parede, trancá-lo num porão escuro e úmido ou utilizar torturas japonesas. Ninguém muda se não quiser mudar, é fato. E se algum dia alguém quiser mudar, mudará com ou sem o seu consentimento.

Independente do fundo, a maior parte dos conflitos do dia-a-dia é facilmente contornável. E pare de complicar tudo sempre, isto o torna desagradável às vezes. A vida não é e nem é para ser complicada. Todos merecemos ser viventes e não sobre-isto, não esqueça ;)

Um comentário:

Mineiro disse...

Excelente perspectiva de "how to live your life in a healthy way". É uma pena que para que sua solução funcione, seja necessário ser tão racional quanto emocional, o que é uma característica bem rara, e até injustiçada, por muitas vezes ser confundida com calculismo ou frieza.
Ademais, é difícil achar a diferença entre inteligência emocional e conformismo, mas você expôs muito bem! =D

PS: Mil perdões pela intromissão.