domingo, 19 de outubro de 2008

O mesmo teto

Nem tudo na vida aceita uma releitura e propor algo deste gênero chega a ser uma ofensa.
É que nem pedir uma nova versão de um sentimento ou de um momento.
E raras vezes isto se extende ao mundo racional da escrita.
Felizmente, alguns destes poucos casos acontece bem próximo de mim.
É com imenso prazer que apresento-lhes uma de minhas inspirações, Tinker Bell.



O mesmo teto


É claro que somos todos filhos de Deus e que Ele nos fez únicos e semelhantes ao mesmo tempo. Não é novidade. Por isso: ame o próximo, ajude seu irmão. Perdoe, somos iguais... Não é mesmo? Bom, estou procurando ainda o autor dessas frases, pois admiro sua pretensão e audácia. Provavelmente foi um cara motivado pelo impulso do álcool que não viveu nesse mundo. Não no meu mundo. Ele certamente não foi vítima de gente querendo puxar o tapete, não viu outros se dando bem às custas de um “irmão”. Aliás, o quê eu vejo por aqui é ser humano fracassando em ser: humano. Em obséquio à malvadeza de seu caráter, vejo alguns rasgando valores, perdendo a moral e embolsando dinheiro. Muito dinheiro. Pobres de seus respectivos travesseiros que convivem e acolhem as mais lamentáveis consciências.
Por essas e outras que eu me pergunto e contesto: Aonde foram parar as pessoas boas? Os velhinhos fofos? Os adolescentes irresponsáveis, porém íntegros? Devem estar por aí, amedrontados pelo mundo, dentro de casa, não totalmente incólumes, porém livres de serem corrompidos. O medo toma conta e enfraquece nossos músculos. Talvez não devamos acreditar em mais nada, talvez acreditar não basta. Eu preciso ver. Assim como aquele cara, autor das frases lastimáveis, que viu bondade no fundo de seu copo de cachaça, eu também quero ver bondade através da janela do meu quarto.
Os infortúnios da vida nos fazem agarrar naquela velha crença de que “um dia fulano vai pagar pelo que fez”, e não cabe a nós julgar ou definir sua pena. Já dizia minha mãe que não convém lamentar pelo erro dos outros. E, esperançosamente, acredito com todas as minhas forças que um dia o travesseiro desses seres, tão indignado, irá ganhar vida, e num segundo transformar o que deita no que dorme. Pra sempre.
Portanto, ame se quiser. Perdoe se o tal merecer. Ajude o próximo, ou o anterior, tanto faz. Estamos num país livre, pelo menos teoricamente. Somos marinheiros de um mesmo barco e o que o move é o seu caráter. Infelizmente convivemos com ciladas durante a vida que mudam a rota desse barco. Mas não se preocupe. Alguém lá em cima nos botou todos sob o mesmo teto, porém deu aos bons um travesseiro diferente.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Por uma votAÇÃO consciente

Mensagem pessoal de um dos meus contatos: “Que absurdo, voto NÃO deveria ser obrigatório”. Qual será a razão dessa revolta? Annalisei.

1) Ela deve ter perdido algum evento em outra cidade, pois teve que vir para votar. (ok pode ficar chateada, mas não acho que seja grande assunto pra ir pro nick, enfim.)
2) Queria ter enchido a cara na noite anterior por algum motivo, mas o garçom não quis burlar a lei (lei é lei, devia ter pensado nisso antes e passado no supermercado na sexta).
3) “Ai que saco ter que ir votar, trocar de roupa, sair de casa, entrar na fila. Sem contar ter que ver propagandas na TV, debates, etc pra escolher meus candidatos na hora da novela! Ai que saco..”.
Acha um saco ser uma cidadã com direito a voto e participar de um dos eventos mais importantes de uma nação? Devia ter nascido bicho então.
4) “Todo mundo rouba”.
Opa! Se “todo mundo rouba” quer dizer que ela também rouba. No todo mundo está inclusa a sua pessoa. É, convivendo com um eu mau caráter é difícil mesmo crer na humanidade.
5) Última e mais discutível:

“Eu não quero que alguns desses ganhe. Eu voto nulo” = “Eu odeio o capitalismo, a Globo e a Veja”. Típicos usuários da camisa do Che, os ditos revoltados.

- Odeia o capitalismo? Se muda! Quer continuar perto da mãe? Inicie uma sociedade alternativa e vote em branco, voto típico de quem não está nem aí pra quem for eleito, você é auto-sustentável, não? E não vale dizer que vai ficar sem internet banda larga porque isso é coisa de capitalista... E capitalista é maaaaaaau!
- Odeia a Globo e Veja? Bom, imagino que seja bem penoso mesmo para certos miolos estar por dentro dos fatos atuais mundias. Se os jornalistas aumentam? Se eles distorcem um pouco os fatos? Bom, provavelmente às vezes um pouco sim. Alguns, sim, mandados por alguém mal intencionado. Então você odeia quem mente e quem distorce, não um meio de comunicação que te expõe os fatos, que te torna informado.
- Não quer que um deles ganhe? Se você não os conhece, comece a conhecê-los. E se conhece (de verdade) e não gosta, ache mais cabeças que nem a sua e monte um partido. Esperar pela utopia não dá. Ou se encaixa, ou cria. Escolha.

O voto obrigatório não conseguiu fazer com que a população se interessasse por esse assunto tão importante na vida moderna, a política. Imagina se ele virar voluntário?
Como disseram, "There is no technical solution" (Não existe uma solução técnica). A solução está na consciência de cada um, e isso, aaah.. Isso não tem técnica mirabolante que dê jeito!