quarta-feira, 14 de outubro de 2009

A utópica dieta feminina

Dieta: toda mulher algum dia já fez, está fazendo ou fará. Nem que seja uma tentativa. Não digo dieta de shakes sem gosto e chás amargos. Dietas do tipo: não-pode-comer-o-que-é-gostoso. Após muita conversa, recolhimento de depoimentos pessoais, questionamentos abertos (obviamente regados a Doritos e bala de goma com aquele refri gelado), cheguei à (triste) conclusão de que a única espécie feminina que consegue se livrar das guloseimas de vez é aquela que:

1) Mora sozinha. É uma be-le-za! Compra-só-o-quer-quer. Pronto! Nutella, cheddar e chantilly não chegam à dispensa sozinhos.
2) Não gosta de sair (do tipo, nem abre a janela do quarto). Já ouviu aquele ditado: Se Maomé não vai até a montanha, a montanha vai até Maomé? É isso que acontece naqueles dias que queremos fugir das tentações. Aparece um tiozinho do cachorro-quente na porta do seu prédio, a tia dos docinhos de morango começa a passar duas vezes por dia na facul, abre uma nova lanchonete na esquina. Uma maravilha!
3) Não tem parentes por perto: não adianta, impossível juntar duas pessoas da mesma família sem pelo menos aquele cafezão da tarde. Broa, manteiga, bolinho de fubá, pão quentinho, queijo, goiabada, salaminho... Aaaahhhh!!
4) Não tem amigos, amigas, colegas nem conhecidos. Juntam-se e fazem o quê? Comem. Podem até jogar um pokerzinho, ver o jogo do Brasil, mas levam o amendoim, a carninha, queijinho coalho, caipirinha, salgadinho, gordurinha...
5) E por último, o pior vilão das dietas femininas, o doce veneno, o construtor da bordinha de catupiry cativa: um affairzinho!
Peloamordosantocristo! Quem inventou a dieta não tinha namorado, com certeza não tinha. E tudo começa com um simples: Vamos sair pra comer algo? E você toda bobona de amor aceita sem pestanejar, lógico! Sair é igual a: vê-lo! Aiiii que liiiindo! Lindo se parasse por aí. Por que o “algo” nunca é uma empanadinha de brócolis com um suquinho de melancia (super diurético!)?? Não, o algo é sempre lasanha, pizza, churrasco, cerveja, x-podrão com bacon e ovo ou frituras superlights de bar. E você faz o quê? Pede uma água com salada de cenoura e fica olhando com aquela cara de cachorro secando frango assado? ÓBVIO QUE NÃO. E por que não? Porque se fizer vai ser tachada de fresca, não-parceira e nojentinha. Resumindo: chata pra ca*! Aí você aumentou o peso do quatro-apoios, correu dez minutos a mais na esteira pra quê? Pra tudo cair por água abaixo com um adorável: Que tal sairmos para comer alguma coisa?


Abençoadas sejam as boas línguas que dizem que quem gosta de osso é cachorro!!!

terça-feira, 7 de julho de 2009

Aleatoriamente casados

“Olha o email que recebi” – disse-me Shrek esses dias. O texto falava da diferença das frases pré e pós-casamento. Algo do tipo: ANTES - Minha Gatinha, meu Ursinho, Minha coelhinha (bichinhos pequenos e fofinhos). DEPOIS - Os bichos crescem: Sua Vaca, Seu Cachorro, Sua Galinha, Seu Veado...
O que era pra ser engraçado, pra mim, foi triste. Real, mas triste. E por que real?
Real porque existe (Sim, eu sei que falei algo ridiculamente óbvio). Mas por que existe? E por que existe na grande maioria (chutaria uns, 95%?) dos casos?
Sinto, mas creio que (sim Shrek, palestra de ontem) estes tantos acabam deste jeito por uma única e simples explicação: casam-se pelos motivos errados.
O que julgo motivos errados? Carência, revolta, sentimento de obrigação ou na tentativa de preencher algum buraco na sua vida.
A carência é complicada, vem geralmente lá de trás, resultante de pais muito ausentes ou de difícil acesso. Inevitável e inconscientemente cresce-se procurando o que nos falta. Pra quem não teve muita, qualquer tipo de atenção por vezes parece ser tudo.
A revolta, pra mim, é um tipo de reação que anda de mãos dadas com a carência ou com os motivos que a constroem. A diferença entre as duas é que a carência por si não é algo agressivo, nela existe apenas a procura do que lhe falta. A revolta é a resposta ao sentimento mal resolvido.
O sentimento de obrigação é o mais comum e o mais desanimador. Porque namora há muitos anos, porque se acha velho demais, porque sempre foi infiel e se sente culpado, porque assumiu um cargo importante, porque todos os amigos estão casados. Acho que se dissessem que o motivo era a morte da bezerra eu acharia a decisão muito mais plausível.
Rombo na vida familiar, financeira, social, profissional também estão comumente nos fundos da decisão de casar.
Seja qualquer um destes motivos ou algum outro que nunca pensei sobre, é óbvio que nem com reza brava dará certo. E óbvio também que daqui algum tempo será você o próximo a redigir aquele tipo de email.
Case por amor, seja lá qual for seu conceito dele. Só e somente por isso. Porque é só com ele que você sente vontade e capacidade de passar por cima das inúmeras dificuldades, dos inevitáveis contratempos, das comuns diferenças.

“Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, pressão de família? O legal é alguém que está com você e por você. E vice versa...
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar. Nem todo beijo é para romancear”.

Fica a dica.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Dia dos Namorados ou Dia das Encalhadas?

Que algumas (milhares) exemplares do sexo feminino me envergonham não é de hoje. Mas a desses últimos dias é fenomenal!
Dia 12 de junho:
No MSN “Se o dia é dos namorados, a noite é dos solteiros!” “Festaaaaaa!!” “Namorar? Eu não, eu sou inteligente!”.
No Orkut:
Legenda das fotos da festinha organizada para solteiros, no dia 12:
1) Felizes somos nós, que vamos aonde queremos, com quem queremos e não agüentamos cara feia.
2) Alegres somos nós, que não temos DR’s.
3) Inteligentes somos nós, que gastamos nosso dinheiro com nós mesmos.
4) Sortudos somos nós, que não corremos o risco de ganhar presente ruim!
Poses das fotos:
1) Dez mulheres, todas de lado, fazendo o V da Gisele B. e mandando beijinho.
2) Mulheres e bebidas, bebidas, bebidas...
3) Mulheres rindo exageradamente.
4) Mulheres dançando funk.

Trocando em miúdos: Eu sou uma baita encalhada, estou desesperada por atenção e morrendo de dor de cotovelo por não ter um santo cristão que me queira, hoje. Estou aqui, fazendo papel de ridícula, gritando aos sete mares que estou feliz por estar não-comida (ou mal-comida, no caso de ter um “ficante”, que além de patético, não a convidou nem pra comer um churros de feira) e não ter alguém gostando de mim no momento, achando que talvez isso faça algum me procurar. Ó céus, ó terra, por favor: um namorado!
E o mais engraçado é que a inteligente, além de assinar o atestado de encalhamento por todos os meios que pode, ainda acha que todo mundo acredita que ela está, MUITO, feliz. Como se as pessoas verdadeiramente felizes com suas condições saíssem por aí esfregando status na cara dos outros ou sentissem necessidade de atacar status alheios. Não, mocinha. Definitivamente: Não é assim que a banda toca, então se toca!
E depois ainda questionam o porquê dos homens bons partidos estarem solteiros...Tsc tsc tsc...

quinta-feira, 26 de março de 2009

Escolhendo amigos

Indagaram-me recentemente:
- Quando você vai parar de andar com o pessoal mais novo e começar a andar com o pessoal mais velho?
A pergunta veio depois de eu ter dito que estava saindo com minha irmã seis anos mais nova e seus amigos da faculdade.
Na hora eu só ri e não respondi a pergunta. E a minha resposta verdadeira?

Eu vou começar a andar com quem “eu deveria andar” quando estes não forem mais chatos, ranzinzas e cheios de manias.
Quando eles pararem de achar que só porque tomaram na cara umas vinte vezes na vida, não existe amor verdadeiro nem relação saudável.
Quando eles não acharem mais que todos os homens e todas as mulheres são iguais, esquecendo da historinha do “felizes para sempre”.
Quando pararem com as mil desconfianças, ficando sempre com os dois pés e as duas mãos atrás quando conhecem alguém novo.
Quando rirem mais dos atropelos da vida e não deixarem que isso os torne cada vez mais tristes e isolados em seus mundinhos cinzas.
Quando virem que comprar uma latinha de cerveja pra tomar depois do trabalho sentado na calçada com seu melhor amigo é o melhor programa do mundo e deixarem as formalidades idiotas de lado.
Eu vou andar com eles quando eles viverem da mesma forma que viviam quando quase não tinham decepções, quando quase não tinham problemas e quando viviam de tudo e por inteiro, 24 horas por dia.

A vida não é justa e ninguém disse que ela seria, mas eu posso escolher com quem eu me relaciono. E os descrentes continuarão fora da minha lista, definitivamente, e, pra sempre.

sábado, 14 de março de 2009

Garota Verão by Família Adams

Acabei de ver as 50 selecionadas para a final do Garota Verão SC. Eis que veio a pergunta: Até onde os pais devem e podem influenciar nas decisões dos filhos?
Oras, o concurso é de beleza, logo, espera-se que as candidatas PELO MENOS bonitinhas sejam. Mas não é bem isso que se vê. Tirando uma ou outra abençoada, umas na média, não sei o que o restante faz ali. Provavelmente a RBS está procurando elenco para algum curta de terror ou dia das bruxas; aproveitou e juntou tudo numa passarela só.
E as mães lá, faceiras com camisetas e faixinhas das cruzas de fuinha com morcego albino. Dai-me forças!
Sim, sua filha pode ser querida o quanto for, inteligente o quanto for, simpática o quanto for, mas é feia que só vendo! Aí a pequena monstrinha encrespa que quer ser garota verão e a mamãe ainda dá força? Claro que os pais devem apoiar os sonhos dos filhos, mas uma pitada de realismo sempre vai bem. Jogador de futebol, médico ou cantor, treinando e estudando bastante o cara até chega lá. Mas beleza, ah mamães... Beleza: ou elas tem, ou elas – definitivamente - não tem!

sábado, 24 de janeiro de 2009

Pela não banalização do fura-olho

Dos milhares de assuntos que povoam a mente humana e enchem canecos de chopp, descobri um que ainda não achei simpatizantes para com a minha opinião: o significado do “fura-olho”.
Ps: E antes que perguntem: não, eu não estou com amigo de ex meu, nem com ex de amiga minha, mas já estive, admito sem problemas e tive razões emocionais para isso.

Annalisemos:

Personagens:

A = uma garota
B = um garoto
C = uma garota que conhece A
D = outro garoto qualquer


Situação 1: A ficou com B. Por alguma razão AB não vingou. B seguiu sua vida e A também. Hoje os dois sabem que se não deu, é porque não era pra dar. C começa a se interessar por B e B por C. Eles ficam.
Situação 2: A garota A ficou com o cara B. A na verdade nunca deu muita bola pra B e cortou os laços com B assim que conheceu D. Tempos depois, A descobre que C e B estão ficando.
Situação 3: A e B são namorados. Tudo era lindo e maravilhoso, até A ver que B não é exatamente o tipo de cara que ela quer, eles terminam, algum tipo de sentimento ainda perdura por algum tempinho e o sentimento que os prendia dá lugar ao sentimento de “não foi dessa vez e bola pra frente”. Passou-se os anos, C encontra B na balada, eles conversam, descobrem que têm um monte de coisas em comum, eles ficam.
Situação 4: A ficou com B. Por alguma razão AB não vingou. B seguiu sua vida e A também, mas ainda pensa muito em B. C, sabedora de toda situação, vai lá e dá em cima do cara, por diversão.
Situação 5: A ficou com B. Por alguma razão AB não vingou. B seguiu sua vida e A também, mas ainda pensa muito em B. C, sabedora de toda situação, vai lá e dá em cima do cara, porque eles se apaixonaram.

Em quais situações C é uma FO? A maioria, na verdade acho que todos que conheço, diriam que em todas as quatro. Na minha opinião, só na quarta.
Por que só nessa? Por que foi a única em que alguma das partes do casal “original” ainda sente algo pelo outro e a C (FO) nem gostar de B gosta, foi só por divertimento. O resto já não sente mais, em alguns casos nem chegou a sentir algo pelo par.
Acho ridículo e bizarro esse tipo de julgamento: achar que todo mundo que fica com conhecido de ex é FO. Isso é coisa de quem não resolveu tudo que tinha pra resolver ou ainda cultiva sentimentos amorosos dentro de si, mesmo que nunca admita. E se cultiva, favor ir atrás.
Pessoas que pensam ter o comando das que um dia passaram pela sua vida não são legais, tratam-nos como objeto: Toquei, agora é meu, pra sempre!
Agora só porque tiverem o dedo podre com um, o mundo do “podre” fede também? Quer dizer que um cara legal que eu posso ter uma relacionamento bacana (ou o homem da minha vida, por que não?) já não estará no grupo de conhecidos de algum ex meu? Não acredito que seja assim, senão Floripa-Ervilha se ferrou!

Paixões repentinas e inexplicáveis acontecem sim. Sentimento de posse é típico de pessoas mal-resolvidas. Ficar por ficar realmente é mau. Portanto pense bem antes de fazer e antes de julgar, pimenta nos olhos dos outros é refresco, não?

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

MQEM de férias

Sol, calor, praia! Fim de ano e começo de outro é sempre a mesma coisa. E o MQEM não poderia deixar de expressar-se dignamente!
Começando:
- O que vestem: o básico sempre cai bem: bermuda ou shorts (este último fica melhor, e acho que mais apropriado na verdade, quando o cidadão passar dos 30). Sunga? Bem, só se você puder ser capa da Men’s Health! Não meu caro amigo, você não precisa ter a barriga saradíssima nem o peitoral másculo, mas se não os tem, favor não agredir nossa visão com seus pertences. E claro, óbvio, lógico que: florais, muitas cores, tangas e brilhos só existem no vestuário feminino (no verão também).
- Onde sentam: em qualquer lugar, mas.... Deitar de costas? Só se for na canga da namorada pra fazer um agradinho nela, que também está deitada ali. E depois de 2 minutos ele já levanta porque a posição não é interessante. Homem que é homem não vai à praia para se bronzear, logo, não precisa acomodar-se nas posições corretas para o melhor aproveitamento dos raios solares.
- O que bebem: cerveja ou caipira de limão. Batida de côco com abacaxi ou caipira de maracujá não!
- O que lêem: jornal ou algum livro. Caras, Contigo ou Tititi never!
- Como se protegem: filtro solar em creme passado por uma exemplar do sexo feminino do grupo. No caso do clube do bolinha, uma jogada de filtro em cada ombro, uma esparramada no rosto e tudo certo (Isto não é algum tipo de apologia, estou apenas relatando a realidade). Óleo bronzeador Banana Boat? O comentário se torna inútil neste momento.

E não, MQEM não grita, não é grosso e não faz concurso de gases saídos dos orifícios superiores e/ou inferiores na praia. MQEM honra sua testosterona 26 horas por dia, mas sem perder a decência, faça chuva, sol ou muito deste.