quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Eu não gosto de discutir.

Eu não gosto de discutir. Não gosto, sério. Nem de debater.
Gosto de perguntar e de falar, mas discutir e debater, não. Eu fico cansada, agoniada e no final das contas fico p.dacara.
Eu cansei dessa vida! (hahaha). Quer fazer, quer dizer, quer se matar, matar o outro, viver chorando, sofrendo, namorando o morto vivo, casar com alguém que não ama, inventar um mundo e viver nele, seguir regras que não concorda e nunca pensa sobre, morrer aos poucos? FAÇA! A vida é sua, vá em frente. Serio, pode ir. Mas vai mesmo :)
Antes (mais ou menos na minha época ante-pausa do blog) eu tinha aquela ânsia de convencer. Falava, discutia, explicava, aumentava a voz se fosse preciso, estourava! Ridícula. Admito. Eu muitas vezes fui ri-dí-cu-la. Mas mudei. E digo que foi uma das minhas melhores mudanças, ao meu ver. Sempre tinha a intenção de ajudar de alguma forma, querer “melhorar”algo, mas mesmo assim já fui ridícula. E no final das contas, não dá pra ajudar quem não quer ser ajudado, right?
Eu que detesto que se metam na minha vida quando não chamo, vivia implicando com os outros? Incoerente de dar dó. E ser incoerente é mau, convenhamos.
Claro que continuo dando a minha opinião, mas só quando sou chamada ou então quando o blog é meu (hehe).
Quer ouvir? Não quer? Quer me xingar? Elogiar? Vá em frente! Só, por favor, não comece uma discussão comigo e também não venha choramingar o mesmo assunto um bilhão de vezes se não está pedindo ajuda.

Então o negocio será o seguinte: eu falo, falo, falo, falo. Aí se vocês quiserem podem comentar, xingar, elogiar, dormir, rir, sei lá. Aí eu respondo. Ou não.

Mas discutir, não. Não gosto, sério. Nem de debater!